Florescer 2019-08-13T15:50:32+00:00

Abordagem educativa focada no brincar nos espaços exteriores, em contacto com a Natureza, tendo por base os principais documentos orientadores da Educação de Infância em Portugal.

A ANIP almeja que a abordagem Florescer ganhe “raízes” na educação de infância em Portugal, constituindo-se como uma opção pedagógica valorizada pelas entidades tutelares. Procura-se que os espaços exteriores sejam o palco preferencial de processos de aprendizagem e desenvolvimento significativos para as crianças, potenciando-se assim a aquisição de competências fundamentais para uma cidadania ativa e responsável.

Como se concretiza?

Existência de um grupo de educação pré-escolar residente no Jardim da Sereia, durante quatro dias por semana;

Visitas semanais de todos os grupos da CJI ANIP ao Jardim da Sereia, acompanhados pelas profissionais responsáveis.

Com quem?

A ocupação a tempo integral do Jardim da Sereia está a cargo de duas profissionais de educação de infância. O projeto conta também com o apoio científico-pedagógico de uma equipa do Centro de Investigação Didática e Tecnologia Educativa na Formação de Formadores (CIDTFF), da Universidade de Aveiro.

Onde?

Através de um protocolo celebrado com a Câmara Municipal de Coimbra, a ANIP utiliza, preferencialmente, a zona superior do Jardim da Sereia, onde dispõe de uma casa abrigo, instalações sanitárias, espaço de estufa e horta, entre outros equipamentos de apoio à rotina diária das crianças. 

Porquê?

Na maioria das sociedades ocidentais, o brincar e a atividade motora tendem a assumir um formato institucionalizado, desvalorizando-se a importância do brincar ao ar livre, na rua ou na Natureza. 

A exposição à luz solar, o contacto com elementos naturais e o usufruto de ambientes não climatizados contribuem para o desenvolvimento dos ossos, para um sistema imunitário mais forte e para a atividade física (Ginsburg, 2007; Nedovic & Morrissey, 2013; Söderström et al., 2013; Sugiyama, Okely, Masters, & Moore, 2010). 

Ainda, o brincar em espaços naturais pode oferecer oportunidades pedagógicas singulares, que dificilmente são recreáveis em espaços fechados. Ao ar livre, a possibilidade de mobilizar o corpo e os sentidos assume-se como estratégia facilitadora de aprendizagens (White, 2011). Através de movimentos amplos e da exploração de elementos naturais (ex.: saltar, correr, brincar com terra, água e areia, fazer barulho, andar de triciclo) surgem oportunidades para o desenvolvimento motor, social, cognitivo e emocional (Bilton, Bento, & Dias, 2017). Particularmente, no que se refere à educação ambiental, cada vez mais valorizada nos contextos educativos, será de destacar a possível influência das experiências de brincar ao ar livre no desenvolvimento de uma atitude de cuidado e proteção do espaço, fomentada através de experiências positivas e afetivamente significativas, que instigam a criança a cuidar daquilo que lhe é querido.

Neste contexto, a abordagem FLORESCER tem como essência a valorização do espaço exterior enquanto ambiente educativo, onde o brincar e a exploração se assumem como ações potenciadoras de aprendizagens, constitui-se como principal pressuposto teórico do projeto que apresentamos de seguida. Esta abordagem concretiza-se no projeto Serei(a) no Jardim que evoca a necessidade de se criarem condições para que crianças e adultos possam usufruir plenamente das mais-valias do espaço exterior, despoletando-se assim mudanças graduais no paradigma educativo vigente, bem como na capacitação de profissionais de educação para prática de experiências educativas ao ar livre

(veja a nossa oferta formativa).